Habilitação: Engenheiro Agrônomo
Turno: Integral (Diurno/Noturno)
Duração: 10 semestres
Dados da Autorização: Portaria MEC – Nº. do Documento: 278 de 19/12/2012
Coordenador de Curso: Prof. Dr. Leandro Barradas Pereira

Objetivos do Curso

O Curso de Agronomia têm com objetivos formar Engenheiros Agrônomos com sólidos conhecimentos técnico-científicos e responsabilidade social, com capacidade de concepção, a partir de uma visão holística e aptos a aplicar princípios e processos ecológicos no desenho e no manejo de agroecossistemas, de forma a torná-los produtivos e ambientalmente sustentáveis.

  • Formar engenheiros agrônomos que exerçam sua cidadania através de práticas profissionais o uso racional dos recursos naturais;

  • Proporcionar a compreensão dos princípios fundamentais e das técnicas racionais e adequadas ao cultivo das plantas, visando uma produção ecológica, social e economicamente equilibrada;
  • Capacitar científica e tecnicamente o profissional para identificar e desenvolver a atividade zootécnica, sempre de uma forma integrada com as demais atividades do meio rural;
  • Compreender a realidade social, econômica, ambiental, técnica, cultural e política da sociedade, em particular da rural, visando interagir nesta, de forma adequada às suas necessidades;
  • Introduzir o profissional de agronomia em conhecimentos de engenharia habilitando-o para a avaliação e proposição de soluções em tecnologias passíveis de utilização no processo de produção agrícola;
  • Possibilitar a interpretação de propriedades e reconhecer características do sistema solo, para avaliar e propor procedimentos e meios no seu uso adequado;
  • Compreender as inter-relações existentes entre organismos hospedeiros e o ambiente visando correta diagnose e controle de doenças e pragas a níveis econômicos e aceitáveis, com o mínimo de prejuízo à saúde humana, dos animais domésticos e do meio ambiente;
  • Conhecer os processos de beneficiamento, transformação e conservação de produtos agrícolas, objetivando um melhor aproveitamento da matéria-prima disponível, bem como avaliar a qualidade do produto final e pesquisar alternativas tecnológicas que agreguem valor ao produto.

Perfil Profissional:

Uma das primeiras preocupações foi a de estabelecer, em função da característica de demanda dos vestibulandos e da Direção da FISMA, qual deveria ser o perfil do futuro profissional que se pretendia formar, pois, em função desse perfil, é que ocorreria o encadeamento do estudo do Projeto Pedagógico vigente. Com este direcionamento básico, o perfil profissiográfico que se pretende formar pode ser sumarizado como sendo:

  • Atuar em pesquisa básica e aplicada nas diferentes áreas das Ciências Agrárias, comprometendo-se com a divulgação dos resultados das pesquisas em veículos adequados para ampliar a difusão e ampliação do conhecimento;

  • Aplicar a metodologia científica para o planejamento, gerenciamento e execução de processos e técnicas visando o desenvolvimento de projetos, perícias, consultorias, emissão de laudos, pareceres etc. em diferentes contextos;
  • Utilizar o conhecimento sobre organização, gestão e financiamento da pesquisa e sobre a legislação e políticas públicas referentes à área;
  • Desenvolver ações estratégicas capazes de ampliar e aperfeiçoar as formas de atuação profissional, preparando-se para a inserção no mercado de trabalho em contínua transformação;
  • Atuar multi e interdisciplinarmente, interagindo com diferentes especialidades e diversos profissionais, de modo a estar preparado a contínua mudança do mundo produtivo;
  • Avaliar o impacto potencial ou real de novos conhecimentos, tecnologias, serviços e produtos resultantes da atividade profissional, considerando os aspectos éticos, sociais e epistemológicos;
  • Orientar escolhas e decisões em valores e pressupostos metodológicos alinhados com a democracia, com o respeito à diversidade étnica e cultural, às culturas autóctones e à biodiversidade;
  • Estabelecer relações entre ciência, tecnologia e sociedade;
  • Utilizar os conhecimentos das ciências agrárias para compreender e transformar o contexto sócio-político e as relações nas quais está inserida a prática profissional, conhecendo a legislação pertinente;
  • Entender o processo histórico de produção do conhecimento das ciências agrárias referente a conceitos/princípios/teorias;
  • Pautar-se por princípios da ética democrática: responsabilidade social e ambiental, dignidade humana, direito à vida, justiça, respeito mútuo, participação, responsabilidade, diálogo e solidariedade;
  • Reconhecer formas de discriminação racial, social, de gênero, etc. que se fundem inclusive em alegados pressupostos biológicos, posicionando-se diante delas de forma crítica, com respaldo em pressupostos epistemológicos coerentes e na bibliografia de referência;
  • Comprometer-se com o desenvolvimento profissional constante, assumindo uma postura de flexibilidade e disponibilidade para mudanças contínuas, esclarecido quanto às opções sindicais e corporativas inerentes ao exercício profissional.

Áreas de Atuação:

1) Área Profissional:

  • Solos – agrogeologia, mineralogia, gênese, morfologia e classificação do solo; física, química e biologia do solo; fertilidade do solo, uso, propriedades e legislação dos corretivos, inoculantes, fertilizantes minerais e orgânicos; nutrição mineral de plantas, manejo e conservação do solo e da água;
  • Fitotecnia – planejamento, implantação, manejo e colheita de culturas; produção de sementes e mudas, melhoramento genético, propagação de plantas e biotecnologia;
  • Fitossanidade – fitopatologia; entomologia, epidemiologia e diferentes formas de controle fitossanitário; defesa sanitária e legislação; manejo de plantas invasoras;
  • Economia, administração e extensão rural – desenvolvimento da agricultura; geração, adoção e difusão de inovações tecnológicas; princípios de economia da produção e comercialização, administração rural; agronegócios, custos de produção; sociologia rural;
  • Zootecnia – manejo de animais de produção e nativos, melhoramento genético, manejo da reprodução, nutrição, pastagens e forragens, alimentos, instalações e equipamentos zootécnicos; integração lavoura-pecuária; sistemas agrosilvopastoril;
  • Engenharia Rural – topografia; agrometeorologia; hidráulica, irrigação e drenagem; máquinas e mecanização agrícola; eletrificação rural; construções rurais; geoinformação; agricultura de precisão;
  • Ecologia e Manejo Ambiental – dinâmica, manejo e recuperação de ecossistemas; uso sustentável de recursos hídricos;
  • Horticultura – Produção e manejo de plantas frutíferas, olerícolas, ornamentais, medicinais, condimentares e aromáticas;
  • Silvicultura – viveiros, manejo sustentado de áreas silvestres e de reflorestamento e propagação de essências florestais exóticas e nativas;
  • Tecnologia de Produtos Agropecuários – processamento, padronização, classificação, conservação, armazenamento, higiene e controle de qualidade de produtos de origem animal e vegetal.
  • Metodologia Científica e Experimentação – elaborar e conduzir experimentos; analisar resultados experimentais e elaborar conclusões.

Nas áreas de atuação destacam-se ainda, entre outros, os seguintes temas:

  • Biomassa: uso econômico da biodiversidade e energia;
  • Organismos fixadores de nitrogênio visando à redução de fertilizantes;
  • Adaptação de espécies vegetais a condições de estresse de toda a natureza, baixa fertilidade, toxidez dos solos, hídrico, salino, entre outros;
  • Eficiência fotossíntética para maior de fixação de CO2 e produção de biomassa;
  • Agricultura de precisão: automação, robótica e gestão da informação;
  • Pós-colheita e acondicionamento de produtos “in natura” e transformados;
  • Produtos sintetizados por plantas: fármacos, vacinas e plásticos biodegradáveis;
  • Condições ambientais para orientar o melhoramento e seleção de variedades;
  • Interações entre plantas e microorganismos para a sanidade das plantas;
  • Processos bioquímicos e biológicos para a redução do uso de agroquímicos;
  • Mecanismos genéticos de resistência e tolerância a doenças;
  • Métodos de caracterização para certificação de produtos de origem vegetal;
  • Coleta, caracterização e conservação de recursos genéticos nativos;
  • Avaliação dos impactos na saúde, alimentos e ambiente dos organismos geneticamente modificados;
  • Sistemas de controle biológico que utilizem predadores benignos;
  • Manejo sustentável: produção integrada, plantio direto e cultivo mínimo;
  • Sistemas agrossilvopastoris: prevenção e controle de pragas e doenças;
  • Detecção de substâncias danosas em alimentos e sua qualidade;
  • Técnicas microbiológicas na absorção, pelas plantas, de fósforo fixado no solo;
  • Recuperação da qualidade dos solos e ambientes contaminados;
  • Formas de utilização de resíduos da indústria na agricultura.

O Engenheiro Agrônomo terá habilidade e credenciamento para promover inter-relações com a realidade nacional e internacional, segundo perspectiva histórica e contextualizada relacionadas com aspectos políticos, econômicos, sociais, ambientais e culturais utilizando tecnologias inovadoras.

Investimento:

Mensalidade (pagamento até dia 08): R$ 1.115,05

Endereço

Rua Amazonas, 571 – Stella Maris
Andradina-SP – 16901-160
Fone: (18) 3702-3702 / 99694-5369
           

Expediente

Diretoria – 08h às 17h
Secretaria – 07:30h às 17:30h
Tesouraria – 07:30h às 17:30h

Acesso à Informação

Bolsas FEA
Concursos e Editais
Ouvidoria
Vestibular
Webmail